5 Dicas para Avaliar sua Educação Financeira

Possuir educação financeira é fundamental para alcançarmos qualidade de vida, não é verdade? Mas, você sabe avaliar como anda a sua educação financeira? Vem comigo. Vamos conhecer algumas dicas preciosas.

O que significa ter educação financeira?

O termo Educação Financeira tornou-se muito popular nos últimos tempos e, cada vez mais, vemos diferentes estudiosos falando a respeito disso. Isso é muito bom para todos nós, pois a informação correta é uma das principais chaves para um bom resultado em todas as áreas de nossa vida, e não seria diferente na realidade financeira.

Como você já leu aqui mesmo, a educação financeira nos orienta a rever hábitos de consumo, aprender a economizar, cortando gastos desnecessários e, principalmente, planejar a melhor maneira de lidar com o dinheiro que recebemos. Ao fazer isso, nos atentamos para algo essencial: a nossa qualidade de vida.

Pensando nisso, trazemos hoje algumas dicas que podem contribuir para uma análise e avaliação em seu dia a dia financeiro. Vamos lá!

1ª dica: Você sabe quanto ganha?

Parece estranho; no entanto, muitas pessoas não têm a ideia exata do valor que ganham. Às vezes, isso é resultado de muitas fontes de renda como, por exemplo, no caso de autônomos que acabam por não anotar os valores recebidos e o mês vai seguindo. 

Ou, até mesmo, quem recebe de forma fixa, mas acaba não contabilizando os impostos e outras taxas e, por isso, não entende qual é o saldo líquido real para o seu bolso. Faça esta pergunta a si mesmo. Saber isso é essencial para planejar o que fazer, quanto gastar e o que poupar ou investir.

2ª dica: Você sabe quanto gasta?

O costume de anotar os valores gastos no dia a dia, seja com itens de primeira necessidade ou, até mesmo, com itens supérfluos é importantíssimo para a nossa saúde financeira. 

Anotando cada um dos gastos, fica mais fácil analisá-los e mensurar em que situações estão ocorrendo e se realmente são necessários. Faça esta experiência se isso não fizer parte de seu cotidiano.

3ª dica: Você consegue resistir a uma compra por impulso?

Quando passa por uma vitrine ou diante de um site de vendas, se o seu emocional fala mais alto e você não consegue se controlar para não comprar naquele momento, pois acredita que é uma oportunidade que nunca vai mais se repetir, é importante fazer esta experiência de uma próxima vez. 

Tente driblar suas emoções. Toda compra pode aguardar uma análise prévia para ver se ela é realmente necessária.

4ª dica: Analise os motivos de suas compras

Tudo na vida nasce de uma razão, às vezes, escondida em nosso interior. Parar para se perguntar sobre o motivo pelo qual queremos fazer, ou não, algo, é muito importante. 

O motivo por trás de nosso consumo não pode ser criar uma imagem fictícia para outras pessoas; também, não pode ser porque se está triste e ao comprar há uma falsa sensação de amenizar a dor ou tristeza. E muito menos por acreditar que se não gastarmos dinheiro com o outro não seremos amados. Avalie sempre suas razões…

5ª dica: Você gasta mais do que recebe?

É impossível ter 8 biscoitos na mão e comer 10, não é verdade? Isso parece muito óbvio. No entanto, em situações de compras e diferentes gastos, nem sempre a mesma lógica é seguida. E esta é a última dica a ser dada neste caminho de análise e autorreflexão. Sempre avalie isso…é o pilar da educação financeira: nunca gaste mais do que ganha!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *