5 estratégias para unir iniciativa e acabativa

Todos já ouviram falar de iniciativa, não é verdade? Muitos são até elogiados e parabenizados por serem pessoas que sabem tomar iniciativa. Entretanto, o que se tem constatado, mais e mais, em nosso dia a dia, é que não basta iniciar, é essencial concluir aquilo que se inicia. Vejamos cinco estratégias para unir iniciativa e acabativa.

O que significa ter acabativa?

Esta palavra, pouco conhecida por muitos, é um neologismo criado por Stephen Kanitz, consultor de empresas e conferencista brasileiro, mestre em Administração pela Harvard Business School.

De acordo com ele, ter acabativa significa possuir a capacidade de finalizar aquilo que se começou ou, ainda, concluir algo que foi iniciado por outra pessoa e que ela,  infelizmente, não conseguiu levar a termo.

Embora pareça algo simples, nem sempre é verdade. Na prática e diante das diferentes iniciativas e ideias do dia a dia, corremos o sério risco de cair em verdadeiras ciladas mentais e emocionais que podem acabar tirando o nosso foco.

O primeiro passo é reconhecer que não basta ter somente iniciativa ou muitas ideias e iniciar uma coisa atrás da outra; é fundamental concluí-las, pois, do contrário, ficam sempre sobrando pequenas arestas para ajustar e surge a frustração pela etapa ou pelo projeto não concluídos.

Estratégias para unir iniciativa e acabativa

#1 – Tenha um propósito claro

Por que é importante fazer a tarefa, projeto ou atividade?

O que está por trás do desejo ou da necessidade de realizar isso ou aquilo?

Quando se sabe/entende as reais motivações de algo, fica mais fácil concluir, pois, no meio do caminho, toda hora, somos lembrados, por nós mesmos, da importância de finalizar o que começamos.

Por isso a importância de ter um propósito claro!

#2 – Não se assuste com o tamanho do desafio

Quem de nós, diante de um grande problema de matemática na infância, não fez a experiência de dividi-lo em partes e ir fazendo etapa por etapa até conseguir chegar ao resultado final?

Ao decidir-se por iniciar alguma empreitada, projeto ou atividade, se perceber que é algo grande demais, divida em fases menores e vá concluindo uma por uma destas fases. Se necessário, descreva de forma detalhada o que precisa ser feito e coloque uma data para conclusão de cada etapa.

Definir um prazo é essencial para nos ajudar a manter o foco. Quando não colocamos data para finalizar (ainda que seja, inicialmente, difícil mensurar) nos perdemos e nem percebemos o tempo passar.

#3 – Faça checagens frequentes

Acostume-se a checar com frequência o andamento do que foi planejado. Se optou por dividir a meta maior em pequenas metas, é imprescindível avaliar no curto prazo o andamento de cada uma das fases e perceber se está dando certo o que planejou e como está o caminho percorrido.

Ao fazer isso, garante-se a possibilidade de corrigir algo que não saiu como planejado e retomar o caminho sem grandes perdas. O momento certo para fazer esta avaliação é ao final da data estimada.

Para a conclusão de um projeto ou uma tarefa, se você tiver dividido em 5 fases menores e nem a primeira tiver sido concluída, fique atento. Isso é um mau sinal! 

Diante disso, neste processo de checagem, é importante mensurar, isto é, medir os resultados já alcançados. Compare com o dia ou com a semana anterior e veja se houve avanço. O que não pode ser medido não tem como ser avaliado.

#4 – Tenha foco

Não fique adiando o início, não se deixe levar pela procrastinação. Tenha diante de seus olhos sempre o foco pretendido. Após ter planejado e avaliado bem os caminhos a seguir, coloque a mão na massa. Não fique enrolando para começar.

Tenha foco e disciplina e explique para si mesmo os ganhos que serão obtidos com a conclusão do que iniciou. Não se deixe levar pelas distrações ou por pensamentos de desistência, fracasso ou incapacidade.

Procure trazer à sua mente lembranças de outras tarefas/atividades já iniciadas e concluídas e o prazer que isso gerou a si mesmo. Se necessário, ofereça a si mesmo pequenas recompensas que o estimulem a não desistir.

#5 – Não queira abraçar o mundo

Faça o exercício de estar inteiro no que estiver fazendo. Por mais que todos nós já tenhamos ouvido que podemos fazer várias coisas ao mesmo tempo (principalmente em se tratando de ser mulher); isso não é verdade, tentar fazer várias coisas ao mesmo tempo, muitas vezes, significa começar várias e não terminar nenhuma direito.

Concentre-se em uma e a realize do início ao fim, destinando toda a sua atenção e seus esforços. Fazendo bem e com qualidade, existe menos chance de algo dar errado e você ter de voltar a trabalhar naquela tarefa que acreditava já ter finalizado.

Uma das piores experiências que podemos vivenciar em nosso dia a dia é o retrabalho. E ele acontece, muitas vezes, por querermos abraçar o mundo. Faz-se correndo várias coisas e, quando vai ver, tem de refazer tudo. Tenhamos calma e foco. Vá realizando uma coisa de cada vez e vai perceber como é muito mais efetivo e produtivo.

1 comentário em “5 estratégias para unir iniciativa e acabativa”

  1. Uma grande problemática de todas empresas. Muita iniciativa, muitas ideias. Porém, nem todos estão prontos para finalizar com qualidade as demandas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *