Cibersegurança – por que ela é tão importante?

Cibersegurança diz respeito à proteção de sistemas conectados à Internet, contra ataques cibernéticos.

Foto do site br.freepik.com

Atualmente, o crescimento e a sofisticação desses ataques se mostram cada vez maiores. Nesse sentido, para evitar problemas dessa natureza, os investimentos na área também estão aumentando. De acordo com dados disponibilizados em Suno Notícias, no Brasil, 83% das pessoas que comandam empresas irão aumentar seus gastos com cibersegurança em 2022. Número bem maior do que o percebido na pesquisa do ano anterior, que foi igual a 55%.

Este assunto é tão sério que não podíamos deixar de falar sobre ele em nosso blog. Afinal, a violação dos dados pode trazer terríveis consequências e destruir, por exemplo, a reputação de uma marca. Ficou interessado? Então chegou a hora de saber mais sobre cibersegurança!

Entendendo melhor a Cibersegurança

Cibersegurança ou segurança cibernética são práticas adotadas para proteger sistemas, redes, dados e dispositivos contra ataques cibernéticos, garantindo, dessa forma, a integridade, confidencialidade e disponibilidade da informação. 

Em outras palavras, trata-se da proteção de redes, dispositivos, programas e dados, contra ameaças externas. Para isso, a cibersegurança utiliza criptografia para codificar e-mails, arquivos ou qualquer outros dados importantes, impedindo que elas sejam perdidas ou roubadas.

Benefícios

Ao investir em cibersegurança, além de proteção, você ganha maior confiança dos clientes e tem a garantia de disponibilidade e continuidade dos seus negócios. Além disso, estará em conformidade com requisitos legais para proteção de dados de usuário.

Com uma plataforma adequada de cibersegurança, um ponto central é atingido: a segurança de endpoints, e, portanto, a proteção do usuário final. Isso é muito importante, uma vez que é ele que, acidentalmente, faz o upload de um malware ou outra ameaça digital, infectando seu sistema.

Endpoint

Endpoint pode ser traduzido como ponto de extremidade. Nesse sentido, ele diz respeito a qualquer dispositivo, móvel ou não, conectado em alguma rede, transmitindo e recebendo dados, podendo servir como pontos de entrada para uma invasão. Essa característica, então, faz de um endpoint a parte mais visada para um ataque.

Não acredite em informações erradas!

Apesar de ser um assunto bem tratado, circulam, por aí, algumas informações erradas a respeito da cibersegurança. Uma delas diz respeito à afirmação de que somente uma senha forte é suficiente para proteger seus dados. Na verdade, uma senha forte é realmente necessária para proteção do sistema, mas deve ser acompanhada por outros cuidados como analisar o número de pessoas que têm acesso a essa senha e evitar repetir a senha em diferentes plataformas. 

Foto do site br.freepik.com

Além disso, outro erro é acreditar que os vírus deixam, necessariamente, os computadores mais lentos. Atualmente, os hackers procuram roubar os dados sem danificar o desempenho dos computadores e, assim, passarem despercebidos. 

Cibersegurança em 2022

De acordo com a Associação de Empresas e Profissionais da Informação (ABEINFO), o aumento no uso e no fluxo de dados por meio de plataformas digitais, levou a mais casos de ataques de hackers. Eles exploram vulnerabilidades com a intenção de roubar informações confidenciais. Vale a pena conferir em “Qual é o cenário da cibersegurança em 2022?”.

Categorias da cibersegurança

Nas empresas, as categorias ou frentes de cibersegurança mais comuns, são:

  • Segurança de aplicativos, para manter o software e os dispositivos livres de ameaças;
  • Recuperação de invasão e planejamento de continuidade de negócios, visando definir como deve ser a resposta da empresa diante de um incidente de cibersegurança;
  • Segurança da informação, para proteção da integridade e privacidade dos dados;
  • Prevenção de perdas de dados;
  • Segurança de rede, visando controlar as conexões de entrada e saída;
  • Sistemas de prevenção de invasão, para identificar atividades cibernéticas potencialmente ameaçadores;
  • Segurança na nuvem, para dados usados ​​em serviços e aplicativos;
  • Gerenciamento de identidades e acesso, para limitação e rastreamento de acesso de funcionários;
  • Criptografia ou codificação de dados para torná-los ininteligíveis;
  • Soluções antivírus/antimalware, para detecção de ameaças;
  • Instrução do usuário, ensinando as pessoas a adotarem um comportamento seguro no ambiente organizacional.

Tipos de ataques

Quais são as ameaças combatidas pela cibersegurança? Veremos agora!

Malware

Malware é um software malicioso criado para prejudicar ou danificar o computador e pode ser usado por criminosos virtuais para ganhar dinheiro. Existem vários tipos de malwares, dentre eles, destacam-se: vírus, cavalos de tróia, spyware, ransomware, adware e botnets: 

Phishing

Phishing são comunicações falsas que parecem vir de uma fonte confiável. Esses ataques, portanto, são usados para enganar as pessoas e levá-las a fornecer seus dados pessoais e do cartão de crédito. 

Ataques “man-in-the-middle”

Acontece quando um criminoso virtual intercepta a comunicação entre dois indivíduos e rouba seus dados.

Ataque de negação de serviço (DDoS)

Nesse ataque, os criminosos sobrecarregam as redes e os servidores com tráfego e, assim, impedem que eles atendam a solicitações legítimas. Isso torna o sistema inutilizável.

Injeção de SQL (Linguagem de Consulta Estruturada)

Ao final dessa lista temos a injeção de SQL, que é um ataque cibernético em que os criminosos assumem o controle dos dados de um banco de dados.

Você pode saber ainda mais sobre esse assunto no artigo “Ataques cibernéticos: conheça os 6 principais e saiba como preveni-los”, que a Century Data, referência em consultoria para proteção de dados, disponibilizou em seu site. Confere lá!

Cibersegurança: dicas de proteção

Para proteger a sua empresa de ataques maliciosos é importante adotar alguns cuidados, como:

  • Manter seu software e sistema operacional atualizados;
  • Usar um software antivírus;
  • Investir em segurança para cloud computing;
  • Fazer gestão de vulnerabilidade;
  • Oferecer treinamento sobre segurança da informação a todos os profissionais da empresa.
Foto do site br.freepik.com

Portanto, investir em cibersegurança é uma realidade necessária e urgente! Dessa forma, se está em busca de mais informações, leia nosso artigo sobre “Segurança da informação – como proteger seus dados de ataques cibernéticos”. 

Conclusão

Vimos, neste artigo, que a cibersegurança consiste em proteger sistemas, redes e programas de ataques maliciosos. Afinal, esses ataques estão cada vez mais frequentes e causam enormes prejuízos.

Portanto, não importa se você tem uma pequena, média ou grande empresa, invista na proteção dos sistemas e informações. 

Agora, uma recomendação especial: se você tem uma grande empresa e busca uma solução inovadora de segurança e governança para o seu negócio, entre em contato com a Century Data agora mesmo! 

Por fim, algumas dicas de leitura para ficar te deixar ainda mais informado:

O que são ataques de DDoS e como preveni-los

Política de Segurança da Informação: como desenvolvê-la de forma eficiente?

O que é cyber security e como implementá-la na empresa

Sobre Karine Iria

Mestra e Doutora em Economia Doméstica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.