Envelhecimento: você quer chegar lá!?

Envelhecer faz parte do nosso processo de desenvolvimento. O envelhecimento faz parte da vida.

Com certeza você já ouviu: “só não envelhece quem morre cedo”. E é assim mesmo.

Envelhecimento
Imagem do site pexels.com

No entanto, muitos são aqueles que não querem enfrentar essa realidade e vivem atrás da fórmula do rejuvenescimento. Não se enquadram em sua realidade, fogem do presente e projetam um futuro irreal. 

Refletir sobre isso pode ajudar, e muito, a mudar um olhar pessimista diante do envelhecimento, para um olhar mais realista e otimista.

O que o envelhecimento significa para você?

Vamos refletir juntos!

Envelhecer pode ser leve

Para algumas pessoas, envelhecer se torna um peso, é difícil e triste.

Podemos até retardar o processo de envelhecimento do corpo com procedimentos estéticos, cremes e antioxidantes. Mas evitar o envelhecimento? Não dá não.

Todavia, devemos cuidar do nosso corpo sim! O envelhecimento não precisa ser sinônimo de desleixo. 

Saiba que um envelhecimento saudável requer cuidados com o corpo e com a alma!

Além disso, o modo como encaramos o envelhecimento está intimamente ligado às nossas crenças e valores em torno desse assunto.

Sendo assim, o envelhecer também pode ser leve! 

É possível olhar para as coisas boas, para as possibilidades  e viver essa fase com a maturidade que se espera. Afinal, é muita vida já vivida! Muito aprendizado!

Envelhecimento – crenças e valores

Nossas crenças e valores tomam forma a partir das relações humanas. Assim, aquilo que se considera como verdadeiro (crença) e as regras sociais ou preceitos morais de uma sociedade (valores) seguem de uma pessoa, sociedade ou cultura, a outra.

Nesse sentido, nossas crenças e valores influenciam nossas atitudes.

Algumas pessoas encaram essa fase da vida com mais leveza, enquanto outras têm muita dificuldade de aceitar essa realidade.

Velhice

O fato da velhice ser a última etapa da vida, faz com que haja um aumento na frequência em pensar a vida e a morte. 

Ou seja, durante o processo de desenvolvimento das pessoas, como é o caso do envelhecimento, nossos pensamentos, emoções e sentimentos enfrentam situações adversas e inusitadas, como resposta àquilo que acreditamos.

Temos que encarar perdas e muitas vezes passamos a não mais nos identificar com coisas que eram comuns em nossa vida. E está tudo bem! Mesmo que seja difícil, há beleza na velhice! Beleza do corpo e da alma. Simplicidade, coragem, tempo para ouvir e fazer o que gosta. Servir ao outro ou acolher o cuidado recebido como amor que transborda.

Inutilidade

Atualmente, vivemos em uma sociedade onde tudo é temporário. Joga-se fora o que não serve mais. As relações não se aprofundam, não se luta por um ideal que seja difícil, que exige renúncia.

Zygmunt Bauman, um notável estudioso da pós-modernidade, utiliza a metáfora da liquidez, pela incapacidade de manter a forma. Isso significa que as instituições, quadros de referência, estilos de vida e crenças mudam sem antes se solidificar em costumes.

Tal situação impacta diretamente as relações humanas, pois, tem-se indivíduos que precisam uns dos outros, mas que têm medo de desenvolver relacionamentos mais profundos. 

Envelhecer neste contexto é mesmo desafiador, não acha?

Este cenário de fluidez, fragmentação e impessoalidade pode levar a que a espiritualidade represente uma resposta aos impasses da atualidade em qualquer idade.

Dentre as ações que visam dar novo significado a identidade do sujeito que envelhece e a valorizar essa fase da vida, estão as reflexões propostas pelo discurso religioso.

A velhice sob o olhar da religião

No campo dos discursos religiosos e das doutrinas que compõem cada religião, existem diversas correntes. Elas são formadoras de representações, símbolos e significados a respeito de assuntos cotidianos na sociedade.

Nesse sentido, a intenção é influenciar os pensamentos e ideias das pessoas, a fim de preservar as práticas e os valores característicos de cada uma. 

Envelhecimento e valores cristãos

No discurso religioso cristão temos os valores, tais como, amor (a Deus, a si mesmo e ao próximo), respeito, honestidade, dentre outros, que possibilitam a vivência de uma velhice bem sucedida, embora permeada por dificuldades. 

Logo, na velhice há uma maior predisposição para experiências emocionais do transcendente e para a busca de sentido, sendo muito apoiada pela comunidade de fé envolvente. 

Religiosidade e espiritualidade – enfrentando os desafios do envelhecimento

A religiosidade e a espiritualidade são formas de enfrentamento, com importantes benefícios para seus adeptos. 

Afinal, acredita-se que o indivíduo vale pelo que é e não pelo que produz. O amor e o respeito ao próximo fazem parte do seu sistema de valores. 

Além disso, a religiosidade é um importante fator de saúde mental. Ela fornece estrutura emocional e motivacional para eventos da velhice, como perdas, saída de emprego, mudanças físicas, doenças crônicas e outras enfermidades, proporcionando um melhor envelhecimento.

O tempo – chronos e kairós

A noção de tempo vivido pode ser analisada tanto na perspectiva do chronos quanto do kairós, também percebido em alguns estudos científicos.

Sendo assim, chronos é um tempo finito, determinado, marcado por anos vivido em um corpo que sofre perdas.

Por outro lado, kairós é um tempo favorável para novas vivências e oportunidades. Pode-se aproveitar o tempo livre para incluir atividades que antes não tinham espaço ou pode-se optar por se recolher, sem agitações ou compromissos. 

Velhice bem sucedida

Os avanços científicos e tecnológicos atuam sobre o tempo cronológico. Sentir-se bem com o corpo e estar saudável influenciam as possibilidades de viver esse tempo favorável e dar novo significado para sua identidade.

No entanto, nem todos vivem a velhice sem limitações no corpo, mesmo com os avanços médicos. Mesmo assim é possível viver uma velhice bem sucedida!

Ainda que se viva em condição de dependência, o tempo, na perspectiva do kairós, não se limita ao corpo ou às aptidões físicas. Ou seja, em termos espirituais, esse tempo favorável tem mais a ver com o estado de espírito. 

Conclusão

É possível viver bem a velhice, mesmo em um mundo onde alguns teimam em negá-la ou em colocar de lado aqueles que já estão vivendo a mais tempo!

Nesse tempo de graça, ainda que com mais limitações, é importante estar ao lado de pessoas que auxiliam o corpo fragilizado e acolhem a alma que pode não condizer com este estado. 

Por fim, o idoso pode até ser inútil, no sentido produtivo, mas ele é sempre necessário, quando se trata de troca de experiências, vivenciadas no amor e respeito.

Essa reflexão foi adaptada a partir de um artigo científico, de minha autoria, desenvolvido durante meu doutorado. 

Nele, fiz a análise de um discurso religioso cristão. Fique à vontade, caso queira conhecer um pouco mais sobre seus resultados.

Você vai encontrá-lo sob o título “Crenças E Valores Em Torno Da Velhice: Análise Semiolinguística De Um Discurso Religioso” (pág 118).

Espero que essa reflexão tenha lhe ajudado a pensar na velhice com mais leveza!

Sobre Karine Iria

Mestra e Doutora em Economia Doméstica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.