Por que é tão difícil dizer não?

Você já se perguntou sobre por que é tão difícil dizer não? Por que, algumas vezes, é tão custoso para nós dizer não para o outro, seja em relações pessoais, sociais ou profissionais? Aqui, vamos conversar sobre algumas dicas que podem auxiliar muito no dia a dia.

Qual a origem da dificuldade?

Dizer sim, ou não, para alguém geralmente está relacionado aos nossos sentimentos e impressões do que é bom ou ruim. Muitas vezes, temos medo de falar não e perder o apreço ou ser rejeitado pelo outro que nos pediu algo, ou ainda, por não querer gerar nenhum tipo de confronto. 

Em muitas situações, para não gerar problemas, acabamos por concordar com o outro e isso nem sempre é saudável. 

Digo nem sempre, pois às vezes se trata somente de abrir mão da nossa opinião em prol de algo que não nos prejudica; pelo contrário, até nos fará ser felizes se decidirmos por fazer a experiência. 

Não somos donos da verdade e não precisamos ter a palavra final sobre tudo sempre. É preciso saber quando é momento de ceder e quando é preciso defender o que se pensa/acredita até o fim. 

Qual o termômetro para perceber o que é ou não saudável?

Para saber se estamos no caminho certo, temos de olhar para o nosso interior e para os sentimentos que são gerados a partir de nossas respostas. 

Em nossas interações no dia a dia, precisamos ir aprendendo a conhecer nossos gostos e desgostos e a partir disso nos posicionarmos. 

Se diante de uma situação ou convite, o seu desejo real for falar não e você acabar dizendo sim (seja por medo de magoar o outro, seja por querer fugir de um confronto ou, ainda, um outro motivo) o resultado disso será frustração. 

A frustração vem toda vez que agimos de uma forma contrária ao que o nosso interior entende por felicidade. Como não  é algo que você realmente queria, mesmo que, em um primeiro momento, pareça que tudo vai ficar bem com o sim dito, na prática não é bem assim. 

Muitas vezes, aquele sim dito somente para agradar o outro vai gerar tristeza, incômodos, ou, até mesmo, ressentimentos e sentimentos de anulação ou rejeição. 

Então, o que fazer? Como quebrar este ciclo?

Comece por se conhecer melhor. Busque descobrir o que te agrada ou não. O que você gostaria de fazer ou participar. Olhe para si mesmo. Veja suas qualidades e fraquezas. Tente entender o que te entristece e por que isso acontece. 

Quanto mais nos conhecemos, mais fácil fica demonstrar ao outro o que realmente queremos e por que não queremos. Sei que, muitas vezes, o dizer sim vem ao encontro do medo de ser rejeitado ou desvalorizado pelo outro, mas reflita…

Em relações pessoais, é importante ter ao seu lado quem te respeita e te ama, quem te entende e aceita que você é um ser humano único com suas próprias opiniões, e não uma extensão do outro. Não temos de pensar igualzinho. Não somos clones. 

Uma relação saudável abre espaço para as diferenças e a beleza das relações está justamente nisso. Busque no outro complementaridade e as suas relações serão cada vez mais saudáveis. Quem não te respeita não te ama de verdade.

Já nas relações sociais e profissionais, também é essencial o respeito e o desejo de parceria. Todos ganham se ambos os lados podem se expressar livremente e ver seu direito respeitado. Um contribui com o outro.

Falando assim parece ser fácil, não é verdade? Mas, longe disso; é muito difícil. É um exercício que deve ser buscado dia após dia, com perseverança e autoconhecimento.

Para te ajudar neste exercício, dou algumas dicas:

Dica # 1

Procure ganhar tempo… Quem disse que as respostas precisam ser imediatas? Peça um tempo para analisar e pensar a respeito.

Dica # 2

Após pensar, explique para si mesmo quais seriam as consequências deste sim. Analise os prós e os contras. Tente visualizar possíveis resultados de seu sim dito. Após isso, ficará mais fácil externar isso ao outro.

Dica # 3

Deixe claro ao outro que a sua resposta não está relacionada à pessoa do outro, e sim que tem a ver com um sentimento seu.

Dica # 4

Seja grato pelo convite/pedido e deixe isso claro para o outro. Nunca sabemos o dia de amanhã. Pode ser que algo que não te apetece hoje chame a sua atenção amanhã. Saiba deixar portas abertas, agradecendo e explicando seus motivos (claro, se não forem muito pessoais).

Dica # 5

Se for possível, faça uma outra proposta que se encaixe mais dentro do que você gostaria e se sentiria bem.

Dica # 6

Busque indicar alguém para o seu lugar ou se ofereça para ajudar a solucionar a situação.

Dica # 7

Se de tudo, a pessoa ainda ficar chateada/brava com você saiba que se ela realmente te apreciar como pessoa ou profissional, isso vai passar e ela vai acabar entendendo depois. Dê tempo ao tempo.

Bom, são pequenas dicas; mas, na realidade, sabemos que é a prática mesmo que nos leva à perfeição. Vamos exercitando no dia a dia e aprendendo uns com os outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *